FACES DO NORTÃO MATO-GROSSENSE

        A região norte do estado de Mato Grosso é parte da Amazônia brasileira.  Durante a época da ditadura (1964-1985), o governo brasileiro incentivou os pequenos produtores e trabalhadores agrícolas -- vivendo nas áreas mais desenvolvidas do Brasil -- a migrar para o interior do pais.  O governo prometeu habitação, hospitais e escolas aos  “pioneiros,” como eles passaram a ser chamados. 

 

         Os primeiros pioneiros que chegaram ao norte do Mato Grosso encontraram uma realidade muito mais perigosa do que a ditadura tinha retratado.  Eles  viveram em áreas de selva infestada pela febre amarela e malária e sofreram a escassez de alimentos e assistência médica, assim como o isolamento do mundo exterior.  Eles se instalaram em áreas desmatadas da floresta, em cidadezinhas sem infra-estrutura básica – sem esgoto, água encanada, energia elétrica, ruas pavimentadas ou moradia adequada.  Muitos pioneiros enviavam cartas para casa, advertindo as suas famílias a não se juntar a eles, mas as estações de correio disponíveis eram controladas pela polícia da ditadura.  A polícia abria as cartas, jogava fora cartas  que criticavam o governo, e exercia represálias sobre aqueles pioneiros que reclamavam.

 

        Com o tempo, as pequenas cidades que os pioneiros tinham explorado no Mato Grosso amazônico – Colíder, Sinop, Claudia, Itaúba e muitas outras – floresceram, apesar de todas as probabilidades.  Seus fundadores e os imigrantes que os seguiram se tornaram agricultores e pequenos empresários, rancheiros e pescadores, donas de casa, trabalhadores qualificados e universitários formados.  

 

        Agora, no entanto, muitas destas pessoas estão ameaçadas com a perda das suas terras e dos meios de vida. Hidrelétricas estão inundando sítios pequenos é floresta nativa.  Agronegócios da China, dos Estados Unidos, do Canadá e da Europa estão invadindo o Mato Grosso, desmatando grandes extensões da Amazônia para plantar milho e sojal.  Estes fatores têm desestabilizado economias locais, expulsando empresas rurais e empurrando os pequenos agricultores em assentamentos de posse.  

 

        Aqui  estão os retratos de alguns dos pioneiros originais e moradores atuais do Mato Grosso amazônico.  Esta coleção de fotografia foi feita como parte de um projeto de pesquisa realizado por Maria Ivonete de Souza, professora da Universidade do Estado de Mato Grosso em Sinop.

Introducão

Fábrica de tijolos no luar
Sinop, Mato Grosso

©2014 Paula Sharp